• Mapa Turístico
  • Loja de Turismo, Portas do Sol, 4930-717 Valença
  • +351 251 823 329

VisitValença.com

Conteúdo

História de Valença em Palco

Teatro Conta Vida das Trapicheiras e Contrabandistas

15 de junho de 2018
Conhece as estórias do Trapiche? Recorda-se da fronteira? Como era a vida de Valença e Tui nos anos 70 e 80? Sabe o que são mandranas e apalpadeiras? Onde se escondia o contrabando? Os produtos emblemáticos do contrabando?
sábado, 16 de Junho, às 21h30, as respostas a estas perguntas sobem ao palco dando voz aos seus verdadeiros protagonistas com as “Memórias da Fronteira”, na Escola Superior de Ciências Empresariais.

Reviver Valença dos Anos 70 e 80
    A peça segue a linha imaginária entre Portugal e Espanha, o rio Minho e a Alfândega. A vida na raia, nas freguesias ribeirinhas, está carregada de memórias de sobrevivência que duraram até  25 de Junho de 1991. Valença é um manancial tem estórias que fizeram o dia a dia de muitas gerações, com preponderância nos anos 70 e 80 do último século. 

Estórias Verdadeiras em Palco
    Esta peça escreveu-se e encenou-se a partir de várias entrevistas que foram recolhidas antecipadamente, junto de trapicheiras e contrabandistas de Valença  que viveram na primeira pessoa os momentos da fronteira. A interpretação e construção cénica foi feita com a comunidade local.

Viagem no Tempo
    O Contrabando e o Trapiche foram atividades de sobrevivência dos homens e mulheres de Valença, proporcionados pela condição de fronteira. Durante séculos foram a grande fonte de sobrevivência de muitas famílias valencianas ficando para sempre na memória
    A iniciativa é do CLDS Valença 3G (Contrato Local de Desenvolvimento Social), com o apoio da Câmara Municipal de Valença. A peça tem dramaturgia e encenação de Rui Alves Leitão.
    Uma oportunidade única para assistir em palco à história de Valença focada nas memórias do contrabando e trapiche em Valença. 

Adicionar comentário

Agenda

Notícias

Fortaleza
de Valença

o mais emblemático dos seus ícones – impõe a sua presença no alto de uma colina, assinalando a grandeza de uma das mais antigas povoações portuguesas, cuja imponência será, talvez, a responsável pela primeira impressão que se tem ao chegar.