• Mapa Turístico
  • Loja de Turismo, Portas do Sol, 4930-717 Valença
  • +351 251 823 329

VisitValença.com

Conteúdo

Teatro Sementes

Local
Juntas Freguesia e CILV

Data
de 22/11/2018 a 25/11/2018

Hora
21H

CALENDÁRIO:

22.11 - Junta Freguesia S. Julião I 21H
23.11 - Auditório CILV I 21H30
24.11 - Junta Freguesia Ganfei I 21H
25.11 - Junta Freguesia Arão I 17H30

“Sementes” é um espetáculo de teatro com terra e atores. E sementes. Na terra e nas mãos, as sementes. Prontas a lançar à terra. Não esquecer: avisar os atores de que não podem pisar determinadas partes do chão, de terra, porque ali há sementes. “Em Portugal, a prática milenar dos agricultores de colher e guardar sementes para posteriores sementeiras permanece viva, sobretudo no âmbito da agricultura familiar prioritariamente destinada ao consumo doméstico.” – entre aspas porque citamos a antropóloga Maria Helena Marques, autora de “Guardar as sementes – Preservar a biodiversidade agrícola e a pluralidade cultural – Entre as práticas e saberes locais e os discursos e conflitos globais”. Em “Sementes” procuramos aqueles “que são os primeiros guardiões da agrobiodiversidade: os pequenos agricultores” (citando ainda Maria Helena Marques). Partimos de trabalho de campo, de visitas aos locais, de conversas/entrevistas com as pessoas. E guardamos o que recolhermos para lançar(mos) essa matéria à terra onde irá florescer esse fruto chamado Teatro.

O que poderão dizer-nos as sementes sobre as pessoas, o território, o mundo e a pluralidade cultural? O que poderão dizer-nos as sementes sobre o passado, o presente e o futuro?

CRIAÇÃO: Amarelo Silvestre
INTERPRETAÇÃO: Edi Gaspar, Joana Magalhães, Luís Filipe Silva, Rui Mendonça e Tânia Almeida
CENOGRAFIA: Henrique Ralheta
DESENHO DE LUZ: Vasco Ferreira
MÚSICA: Ricardo Baptista
MOVIMENTO: Yola Pinto
DOCUMENTAÇÃO VÍDEO: Eva Ângelo


Entidade organizadora
Câmara Municipal de Valença e Comédias do Minho

Preço
Entrada Livre

Mais informações
251 809 500

Agenda

Notícias

Fortaleza
de Valença

o mais emblemático dos seus ícones – impõe a sua presença no alto de uma colina, assinalando a grandeza de uma das mais antigas povoações portuguesas, cuja imponência será, talvez, a responsável pela primeira impressão que se tem ao chegar.