• Mapa Turístico
  • Loja de Turismo, Portas do Sol, 4930-717 Valença
  • +351 251 823 329

VisitValença.com

Conteúdo

IXª Festa da Savelha

A Arte da Pesca Desportiva no Rio Minho

10 de junho de 2019
A Festa da Savelha foi o ponto de encontro de pescadores, das margens do rio Minho, na última segunda-feira, 10 de junho, na Pesqueira dos Frades, em Ganfei, Valença.
    A iniciativa evocou a pesca à savelha, um dos peixes mais celebres do rio Minho.

Convívio de Pescadores
    O convívio começou às 8h e prolongou-se durante o dia e teve como principal objetivo a divulgação da savelha do rio Minho e a confraternização entre os aficionados a esta arte de pesca tradicional de Valença. A manhã foi dedicada à pesca, em barco ou apeado, seguiu-se almoço e durante a tarde confraternização entre os participantes. 

Pesqueira dos Frades
    A festa decorreu no Parque da Pesqueira dos Frades, em Ganfei e na marginal do rio Minho. Um parque de lazer, com ancoradouro e rampa de acesso para embarcações e uma extensa marginal ribeirinha proporcionam excelentes condições para esta arte de  pesca. 

A Arte da Pesca da Savelha
    A pesca à savelha reúne, por esta época do ano, centenas de aficionados, em Valença.
    As savelhas do rio Minho são peixes de dimensão considerável, atingindo com facilidade os dois quilos.
    As zonas mais apetecíveis para a pesca desta espécie correspondem à área do rio Minho que passa pelas freguesias valencianas de Ganfei, Verdoejo e Friestas.
    Dado o período curto de pesca e a área do rio onde é mais apetecível pescar, é a arte da pesca que atrai mais pescadores. Nas pesqueiras ou de barco, o rio enche-se de aficionados de todo o norte de Portugal e sul da Galiza, numa pesca que, em alguns pontos, chega a ser de ombro a ombro.
    A iniciativa foi do Grupo Desportivo Ganfeiense e conta com a colaboração da Câmara Municipal e da Junta de Freguesia de Ganfei.

Adicionar comentário

Agenda

Notícias

Fortaleza
de Valença

o mais emblemático dos seus ícones – impõe a sua presença no alto de uma colina, assinalando a grandeza de uma das mais antigas povoações portuguesas, cuja imponência será, talvez, a responsável pela primeira impressão que se tem ao chegar.